sábado, 16 de março de 2013

Análise do Filme Equilibrium



SINOPSE
        Dirigido por Kurt Wimmer. Com Christian Bale, Emily Watson, Taye Diggs. Gênero: ficção científica,  suspense  e  ação. Nacionalidade: EUA.

        Nos primeiros anos do século XXI aconteceu a 3ª Guerra Mundial.  Aqueles que sobreviveram sabiam que a humanidade jamais poderia suportar a uma 4ª guerra e que a natureza instável dos humanos não poderia  mais prevalecer.
       Então um segmento da lei foi criada, o Clero Grammaton, cuja única tarefa é procurar e aniquilar a real fonte de crueldade entre os seres humanos: a capacidade de sentir, pois acredita-se  que os fatores emotivos foram culpados pela destruição  das sociedades do passado. 
       Desta forma existe a implantação de um Estado Totalitário, a Libria, que é comandado pelo "Pai", que só aparece através de imagens em telões. Foi decretado que os cidadãos devem tomar diariamente uma droga que nivela  a manifestação emocional. As formas de expressão criativa estão contra a lei, sendo que ao violar qualquer regulamento a não-obediência é punida com a pena de morte. John Preston (Christian Bale) é um Grammaton (sacerdote), um oficial da elite da lei, que caça e pune os "ofensores", além de ter autoridade para mandar destruir qualquer obra de arte. Um dia, acidentalmente, Preston não toma a droga. Pela primeira vez ele sente emoções e começa a fazer questionamentos sobre a ordem dominante e o sentido de inibir os sentimentos.


ASPECTO SOCIOLÓGICO DO FILME
  
     A desordem e a desigualdade social ao longo da história foi constituída pelo homem devido a necessidade de se sobrepor em relação aos outros homens. 
Thomas Hobbes, pensador inglês defendia a criação de um Estado Artificial para defender os indivíduos de suas próprias barbaridades e vicissitudes (o homem é o lobo do homem).

 Diria ainda Hobbes relacionando agora com o filme, que o conflito e a guerra são inerentes à natureza humana. A emoção, os instintos, os sentimentos, os prazeres levam a humanidade a uma busca desenfreada pelo hedonismo e por sensações terrenas transbordantes. 
     O filme enfatiza justamente a necessidade de neutralização dos sentimentos humanos, pós-catástrofes provocadas pela disputa, ganância, competitividade, egoísmo exacerbado, consumismo padronizado. No entanto, sentir é uma capacidade que nos torna expressivos, inventivos, diferentes, capazes. Se por um lado, a  disciplina e a obediência são essenciais para o controle da ordem estabelecida e por tanto da erradicação de várias ações destrutivas que estão cada vez mais frequentes na nossa realidade, por outro superficializa-se as relações amorosas e familiares. Pergunto se não é o que está realmente acontecendo hoje. Estamos nos virtualizando. Erguemos novas estruturas de controle dos escombros da anterior. Verifica-se no filme a força de organizações religiosas (clero), seus agentes executores, defensores da ordem (sacerdotes) e os hereges (ofensores). Creio que além de leis mais eficazes e severas necessita-se que as mesmas sejam verdadeiramente cumpridas indiscriminadamente. O respeito não deve ser imposto como em Equilibrium, mas sim conquistado. A emoção definitivamente é vital!


Análise Psico-Filosófica

As teorias para análise psico-filosófica aqui usadas serão a Dialética e AntiDialética, duas linhas de pensamento diferentes que são muito bem retratadas ao longo do filme, espero que aproveitem.
Equlibrium se inicia por uma das cenas mais impactantes do longa metragem, que é a destruição de um dos maiores símbolos da arte, o quadro de Lonardo Da Vinci: Monalisa (Gioconda).  O personagem principal John Preston da a ordem de destuição da obra, dando a entender que nenhum meio que nos possibilite perceber o belo continue a existir, dando inicio a uma visão "anti-emocional" da vida, onde é proibido contemplar a beleza da existência humana. Para explicar de maneira mais produtiva, será usada a visão dialética, que aqui será retratado de uma maneira diferente de determinadas teorias filosóficas.

O pensamento dialético é aquele em que raciocinamos de uma maneira mais lógica, procurando resultados exatos, não tendo interferência da emoção e dando mais voz a razão. É um pensamento Consciente  que utilizamos   para alcançar nossos objetivos de uma maneira mais óbvia e lógica. Infelizmente é o pensamento mais usado para educar jovens e crianças no sistema educacional, esse  tipo de pensamento não deixa de ser uma pensamento necessário, pois a capacidade interpretar determinadas situações de maneira mais lógica  é realmente importante, mas o grande erro é torná-lo  a ferramenta principal dos pensamentos e ideias.
Equilibrium retrata com perfeição como nos tornaremos se continuarmos a dar seguimento a esse pensamento frio e insensível. Nas cenas seguintes é mostrada como seria a nossa sociedade no futuro com o pensamento dialético imperando sobre todos

A sociedade LIBRIANA (uma Sociedade que não sente), demonstra como viveremos, o que ouviremos, o veremos e como seremos todos iguais, andando com as mesmas roupas, os mesmos cortes de cabelo, as mesmas expressões faciais, e incrivelmente frios. Mostra que sentir se tornou uma doença com os sintomas de ódio, raiva, fúria e guerra. 




 É revelado o que seria o instrumento que será denominado como a "CURA" para essa doença, o PROZIUM.
 Essa é a personificação do instrumento que ira nos controlar, dando um suposto  equilíbrio da mente e do corpo, produzindo uma falsa ideia de "PAZ". Esses ideais serão sustentados pelos argumentos de que nos tornamos vitoriosos por termos "vencido" as diferenças e a nossa própria natureza humana.

John Preston (Christian Bale) que faz parte da organização Tetragrammaton que luta contra a Resistência ( grupo que luta contra a lei de não sentir e que ainda cultivam as emoções.) demonstra que nem mesmo a amizade tem mais valor emocional, que é apenas uma mera palavra de um sentimento que a maioria das pessoas hoje nem fazem ideia do que significa quando ele mesmo mata seu amigo mais próximo.

Antes de John matá-lo é recitada uma poesia de um livro que seu amigo tem em mãos, que diz:


  "Mas eu sendo pobre, tenho apenas meus sonhos
Lancei meus sonhos sobre seus pés
Caminhei suavemente
Pois você pisou nos meus sonhos."
 Essa poesia pode ser interpretada dizendo, que nós, mesmo estando pobres de materiais, ainda temos os nossos sonhos, que sempre são voltados de sentimentos e emoções e que se confiarmos esses mesmos sonhos a nossa sociedade, ela poderá pisar em cima deles, destruindo-os e nos fazer caminhar e viver de acordo com suas leis impostas.

 Em seguida é mostrada a esposa de Preston sendo presa na sua frente, nos fazendo intender que nem mesmo o sentimentos mais forte, mais sublime, mais belo e mais importante de todos conseguira sobreviver, que é o Amor. O amor que deveria existir entre pai e filho também será destruída, e essa é a representação das cenas em que o Filho de Preston o trata com total frieza como se fosse alguém superior a ele. Essa não é uma mera ficção, se formos observar, vamos perceber que essa é uma realidade em que já estamos vivenciando. Pais e filhos, hoje são estranhos uns para os outros, não conhecem seus medos, seus sonhos, suas vontades, o que realmente pensam e imaginam para si e para os outros. Cada vez mais crianças e jovens são educados a se tornarem máquinas  repetidoras de ideias e não grandes pensadores que amam solenemente a vida e suas famílias, e que se continuarmos a educar com os pensamentos dialéticos e linear, apenas iremos piorar essa situação e assim não irá demorar para que a ficção de um filme vire uma grande realidade para nós.

     A cena onde se demonstra as ideias do pensamento AntiDialético (Multiangularl) é a onde o personagem principal é interrogado por sua própria prisioneira, que lhe pergunta o por que dele estar vivo  e o propósito de sua existência. Ele da uma respota totalmente Dialética e linear, dizendo que estava vivo para servir e dar continuidade a sociedade Libriana, essa é uma resposta que o gorverno Libriano quer que seus servos dem, e si refletirmos por alguns minutos, vamos perceber que nossa sociedade e governos realmente querem que pensamos apenas dessa forma, uma forma que não crítica sua própria sociedade e que apenas trata tudo com frieza.
Mas a personagem lhe responde que o propósito de nossas vidas é SENTIR, mostrando que nascemos com o objetivos de sentir emoções, sejam elas boas ou ruins. É algo tão fundamental quanto respirar e que se deixarmos de sentir, apenas estaremos vivendo por viver, sem nenhum propósito. Esse é exatamente o sentido do pensamento Anti-dialético. Usamos esse tipo de pensamento consciente para decifrar as emoções, aspirações, sensações complexas, para imaginar, fantasiar e produzir imagens mentais. É esse pensamento que nos possibilita enxergar uma situação dos mais diversos ângulos e focos, por isso também é chamada de pensamento multiangular. É ele que nos permite enxergar as belezas e fascinações que a vida pode propiciar. Mas é justamente esse pensamento que nossas sociedades vem tentando extinguir.

 Ao longo do filme o personagem John Preston descobre o quanto é belo e magnífico poder Sentir. Ele encontra a Resistência, e eles explicam que as emoções tem um preço, e sem moderação, sem controle, as emoções são um caos, transformando o mundo em um lugar cheio de seres frios, insensíveis, intolerantes, doentios, neuróticos e tiranos.

(Por: Marcio Araujo & Mayke C. Cardoso)

Referencias:Teoria Filosofica de Thomas Hobes
Livro de Augusto Cury: O Código da Inteligencia


Link para Download do filme Dublado em AVI: http://depositfiles.org/files/rwtpldf6v

8 comentários:

  1. Parabenizo o prof. Marcio Araujo e Mayke Cardoso pelo bloq, pois sou um amante de filmes que nos mostrem uma "montanha por trás da árvore" (o Mayke entederá essa espressão), ou seja, que possuam muitos mais do que meras situações superficiais e que nos façam refletir sobre muitos aspéctos, mas principalmnente sobre nossa sociedade.
    Espero ver também sobre muitos outros filmes. Até...

    ResponderExcluir
  2. Parabéns prof. Márcio Araújo e Mayke Cardoso, e, de fato, o pensamento sobre o filme está absolutamente coerente, sendo essa mesma a minha linha de raciocínio, em que não devemos (por mais difícil que seja) ser tendenciosos em nada, absorver de um lado, mas não desprezar o outro, viver no verdadero Equilíbrio, conforme às próprias Escrituras Sagradas já dizem em Eclesiastes 7.15-29, e somente assim poderemos desfrutar do sentido da nossa existência.
    Conteúdo nota 10.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Professor Márcio Araújo,o senhor trouxe exatamente abordagens e análises criteriosas sobre o filme "Equilibrium",que trata absolutamente sobre a sociedade do futuro o que já encontramos no presente, e isso é reflexo do sistema capitalista, que, em vez de promover a união sustenta a individualização, o que faz nos remeter á pessoas egocêntricas sem se preocupar 100% com o outro. E isto é o que o filme transmite, a ideia de pessoas frias que vivem como andróides, e , por isso temos que ter o "equilibrium" entre a razão e a emoção.

    ResponderExcluir
  5. Fantástico!!! Parabéns e muitíssimo obrigada por esse conhecimento,ao querido professor Márcio Araújo e ao Mayke Cardoso.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns, fantástica maneira de expressão sobre o filme. Parabenizo os responsaveis.

    ResponderExcluir
  7. Recomendo a leitura desse artigo, que complementa o de vcs... e nele até linkaram o de vcs rsrs http://maxiverso.com.br/blog/2016/08/09/o-mal-compreendido-filme-equilibrium/

    ResponderExcluir
  8. Matrix Reloaded foi um sucessor espiritual deste filme.

    ResponderExcluir